Arquivo

Archive for agosto \27\UTC 2010

Firefox 4 com abas no topo e agrupamento de abas

O Firefox 4 que ainda está em versão beta, possui um visual de abas no topo semelhante ao Google Chrome e um novo recurso de agrupamento de abas chamado Panorama, que é especialmente útil para quem costuma abrir muitas abas.
Veja o vídeo:
http://vimeo.com/14364400

Mais informações em:
http://www.azarask.in/blog/post/designing-tab-candy/
http://www.mozilla.com/en-US/firefox/4.0b4/releasenotes/

Fonte: http://www.noticiaslinux.com.br/nl1282797396.html

Categorias:Web Tags:

Quadro-interativo de baixíssimo custo

Hoje meu amigo Wagner me mostrou um projeto que muito me impressionou…
É sobre fazer um quadro-interativo de baixíssimo custo (Low-Cost Multi-touch Whiteboard using the Wiimote):

Basicamente eles usam o controle remoto do Nitendo Wii (Wiimote) e um led infra-vermelho. A idéia é realmente fantástica!!!
Pode ser usado até mesmo sem projetor, com um monitor qualquer.
O projeto é de autoria do pesquisador Johnny Chung Lee da Universidade de Carnegie Mellon.
O software para que computador se comunique com o Wiimote via bluetoooth é esse:
http://johnnylee.net/projects/wii/WiimoteWhiteboardv03.zip
Tem também uma versão em Java: http://www.uweschmidt.org/wiimote-whiteboard

O pesquisador ainda possui outros projetos usando o controle do Wii… http://johnnylee.net/projects/wii/
E ainda mais: http://johnnylee.net/projects/

Eliminando vírus infectados pelo Windows com a ajuda do Ubuntu

Veja em:
http://info.abril.com.br/dicas/seguranca/virus/cartao-vermelho-aos-virus-com-o-ubuntu.shtml

A dica envolve instalar o Avast para Linux, cujo instalador ocupa cerca de 28 MB:
http://www.avast.com/linux-home-edition#tab4

Para quem gosta mais do AVG, ele também está disponível para Linux:
http://free.avg.com/br-pt/download.prd-afl

Outra opção é usar o ClamAV. Para isso, basta instalar o pacote clamav.
Para usar o clamav através de uma interface gráfica é só instalar o pacote clamtk.

Categorias:Informática Tags:

Tutorial sobre Android

O Android veio para ficar e seu mercado está em plena ascenção, de modo que vale a pena investir nele. Alguns dizem que ele deve superar os demais sistemas: http://macworldbrasil.uol.com.br/noticias/2010/08/06/opiniao-por-que-o-android-deve-derrotar-o-iphone-e-o-blackberry/
A verdade é que creio que realmente é uma tendência e que cada vez mais aparelhos e aplicações que usam o Android estão surgindo.
O Carlos Morimoto está escrevendo um tutorial sobre o Andriod que vale a pena ler: http://www.guiadohardware.net/tutoriais/android/

Alguns trechos interessantes do Tutorial do Carlos Morimoto:

“Com exceção da Apple, da Nokia e da Microsoft (…), praticamente todos os outros grandes fabricantes possuem projetos relacionados ao Android (…). Com tantos projetos em curso, é de se esperar que o Android continue se popularizando nos próximos anos, com uma grande chance de se tornar a plataforma dominante para dispositivos móveis.”

(…)

“Enquanto a Apple optou por manter um controle estrito sob sua plataforma, controlando tanto o hardware quanto o software, impondo restrições aos desenvolvedores e controlando a distribuição dos aplicativos, o Google optou por seguir o caminho oposto, criando um sistema aberto e incentivando a criação de aplicativos para a plataforma, inclusive com prêmios em dinheiro.”

(…)

“Enquanto a Apple tenta restringir os desenvolvedores, com medo de que aplicativos ruins possam prejudicar a imagem da plataforma, o Google adotou uma atitude liberal, disponibilizando as ferramentas e deixando que a coisa flua naturalmente. Você mesmo pode baixar o SDK no http://developer.android.com e começar a estudar o sistema usando seu próprio PC, sem nem mesmo precisar de um smartphone baseado na plataforma.”

(…)

“Entra em cena, então, o Android Market, que faz o papel de canal de distribuição, assumindo a função que no mundo Apple pertence à AppStore. Ele serve como um repositório central de softwares para a plataforma, permitindo que eles sejam instalados rapidamente. Em julho de 2010 o Android Market já atingiu a marca de 100.000 aplicativos, um número que deve continuar crescendo rapidamente.”


Play! – Um framework Java para desenvolvimento Web focado na praticidade e produtividade

O Charleno Pires me sugeriu olhar um framework Java para desenvolvimento Web que eu não conhecia. E realmente fiquei bastante impressionado com sua simplicidade e praticidade. O Grails também é muito bom, mas querer a programação em Groovy que é uma linguagem dinâmica muito parecida com Java. Aprender Groovy demanda um tempo adicional, além de seu uso deixar a aplicação um tanto mais lenta que o uso do Java puro.
Refiro-me ao Play, que pretende tornar bem mais simples e produtiva a construção de aplicações Web em Java.
Percebi uma grande semelhança dele com o Rails. A vantagem é que quem já conhece Java e tem Java como requisito de projeto, vai se sentir em casa!!!
Um vídeo que demonstra o potencial do Play pode ser visto no Vimeo:
http://vimeo.com/7086691
Acho que vale a pena fazer uma análise dele e agradeço ao Charleno pela indicação.

PS: Achei interessante que após o download do Play, observei que os scripts dele são escritos em Python e que a linguagem Python para Windows vem embutida no framework que baixamos. No Linux, o Python já é nativo. Eles usam o Python provavelmente para tornar os scripts multi-plataforma. No entanto, a aplicação a ser desenvolvida é escrita totalmente em Java.

Categorias:Java, Programação, Web Tags:, ,

Formação de Grupos de Estudos e Técnica do Pomodoro

Estou certo da importância da formação de grupos de estudos!!! Tenho observado que quem participa normalmente evolui bem mais rápido que os demais. Eu mesmo tenho participado de alguns e percebo o quanto vale a pena. Sem os grupos, os estudos terminam sendo mais árduos e muitas vezes não atingem os objetivos esperados. Nos grupos trocamos idéias e problemas complicados terminam ficando mais compreensíveis. Além disso, o estudo em grupo ainda ajuda a estreitar os laços de amizade, desenvolver a cooperação e capacidade de comunicação. Também nos ajuda a trabalhar em equipe.

Só sugiro que os grupos sejam pequenos e que realmente sejam bem focados em exercícios ou atividades práticas para não dispersar. Outra questão importante: para que todos se beneficiem é necessário que todos participem ativamente, pois quem assume uma posição de passividade, termina não aproveitando os benefícios de estudar em grupo.

Uma metodologia que tem funcionado bem nos grupos que participo:

  • Ao se reunir em grupo para resolver questões é interessante que todos já tenham estudado a teoria sozinhos. Se isso não tiver ocorrido, alguém que domina mais o assunto, faz um resumo geral da matéria que será abordada nos exercícios. Esse resumo também pode ser feito quando todos já estudaram a matéria a fim de “aquecer” o grupo. Durante o resumo, pode-se questionar e tirar dúvidas para que tudo fique claro para todos.
  • Usar quadro, pincel e apagador para resolver os exercícios a fim de que todos possam ver e comentar. O resumo também pode feito usando o quadro.
  • Revezamento de pessoas resolvendo as questões. Cada pessoa resolve um pouco do exercício e todos terminam participando. Isso parece com um DOJO, não acham? Ou seja: é interessante que não fique tudo nas mãos de um “sabe tudo”.
  • Se o grupo ainda estiver se dispersando, analisar o problema e corrigi-lo. Pode-se dividir o grupo em dois (diminuir o grupo) ou evitar conversas paralelas enquanto alguém estiver explicando algo para todos.

Outra dica para quem tem dificuldade em focar suas atividades e aproveitar melhor o tempo é a técnica do POMODORO.

Eu estou usando e noto o quanto ela é eficaz.
O objetivo dela é reduzir a ansiedade e melhorar a concentração.
A técnica foi desenvolvida por um italiano que estava tendo dificuldade em organizar seu tempo e seus estudos.
O Pomodoro também pode ser usado nos estudos em grupo e não apenas individualmente.
Ela também tem sido usada em equipes de desenvolvimento e mesmo por desenvolvedores que trabalham sozinhos.
O site oficial é: http://www.pomodorotechnique.com/
Livro gratuito em PDF escrito pelo próprio criador da técnica: http://www.pomodorotechnique.com/resources/cirillo/ThePomodoroTechnique_v1-3.pdf

O livro já teve mais de 30.000 downloads somente no primeiro trimestre de 2010!!!

Vejam também:
A Técnica Pomodoro – excelente resumo da técnica em português
The Pomodoro Technique– outro excelente resumo em português com sugestões de softwares para ajudar no uso
Técnica Pomodoro: organize-se e tenha foco
fb – focus booster
– Timer multi-plataforma
PomoDo –  Timer e gerenciador de Pomodoros multi-plataforma
Tomato! – Web Timer

Penso inclusive em ministrar mini-cursos sobre Pomodoro no futuro, pois estou certo de que a técnica pode ajudar muitas pessoas a serem mais disciplinadas e produtivas.

PDF e HTMLs com documentação completa do Django atualizada

Estou gerando periodicamente, através do Sphinx, um PDF e um arquivo compactado com os HTMLs de toda a documentação do Django atualizada para acesso offline. A primeira página do PDF mostra a data em que a documentação foi gerada e o link permanente para baixar sempre a versão mais atual é: http://dl.dropbox.com/u/1477113/material_didatico/python/django.pdf

Já para baixar os HTMLs para acesso offline basta acessar: http://dl.dropbox.com/u/1477113/material_didatico/python/django_html.zip

Para quem tiver interesse em gerar seu próprio PDF e a documentação do Django em HTML para acesso offline, basta seguir o seguintes passos:

1. Baixar a última versão da documentação através de Subversion a partir do comando a seguir:

svn co http://code.djangoproject.com/svn/django/trunk/docs/ django_docs

1.1 O passo acima só precisa ser feito da primeira vez. Para novas atualizações basta executar:

svn update

Caso você não tenha o subversion instalado, basta fazer o seguinte no Ubuntu:

sudo apt-get install subversion

2. Mudar para o diretório da documentação:

cd django_docs/

3. Gerar a documentação em HTML:

make html

4. Gerar a documentação em PDF:

make latexpdf

Para que tudo isso funcione é necessário que o Sphinx (versão 1.o ou superior) e o Latex estejam instalados.

No meu caso, fiz o seguinte para que tudo funcionasse no Ubuntu:

sudo easy_install -U Sphinx
sudo apt-get install texlive-latex-base texlive-fonts-recommended texlive-latex-recommended texlive-latex-extra

Observe que o comando sudo easy_install -U Sphinx não serve somente para instalar o Sphinx. Ele ainda permite a atualização para a última versão do Sphinx, caso uma versão anterior  já esteja instalada.

Caso você não tenha o easy_install instalado, ainda será necessário mais um passo antes de instalar o Sphinx:

sudo apt-get install python-setuptools

Quem quiser evitar esses passos, é só acessar os arquivos que estou gerando e que vou atualizar periodicamente.

Categorias:Django, Python Tags:,
%d blogueiros gostam disto: